Chiang Mai, Tailândia, é tão confortável que é difícil ir embora

image

 

Chiang Mai é a principal cidade do norte da Tailândia. Ela é o fim da linha do trem que começa em Bangkok, por isso este é o meio de transporte mais utilizado pelos turistas (mas também é possível chegar até aqui de ônibus).

 

Um parêntesis para dizer que o trem noturno, segunda classe, foi uma das camas mais confortáveis da viagem até agora.

 

O centro velho de Chiang Mai é cercado por um muro, que há 700 anos foi levantado para proteger a cidade das invasões birmanesas. Hoje em dia, para dentro deste muro fica uma região de ruas apertadinhas salpicadas de restaurantes, hostels, bares, escolas de culinária, massagem tailandesa, ioga e muay thai – e casas, templos, escolas e outras coisas de vida normal, é claro.

 

De Chiang Mai é possível fazer trilhas pelas montanhas, tirolesas, visitar um centro que cuida de elefantes resgatados dos maus tratos, um centro que mantém tigres domesticados (e que não parecem estar sedados como os do Tiger Temple perto de Bangkok), fazer cursos, passeios de bicicleta, enfim, levar uma vida ativa – ainda que eu não tenha feito quase nada disso… Rs.

 

image

 

É impossível falar da minha visita a Chiang Mai sem falar do A Little Bird Guesthouse, onde passei ar maior parte dos 5 dias que fiquei na cidade.

 

Este hostel fica bem atrás do mercado, a 5 minutos de ótimos restaurantes, bares, lojas com aluguel de bicicletas e barraquinhas de sucos de frutas feitos na hora. A atmosfera amigável e relaxada do lugar é tipo um imã que te prende por ali. A administração é simpática, o wifi funciona bem, a área comum é confortável e os quartos são razoavelmente limpos.

 

É ótimo pra quem quer descansar da árdua tarefa de ser um turista por alguns dias, está afim de conhecer mochileiros e trocar informações sobre os próximos destinos.

 

A verdade é que eu não fiz quase nada em Chiang Mai. Com meu joelho ainda machucado (acidente ocorrido em Koh Phangan, em uma cachoeira – mas calma, tá tudo bem!), não posso fazer trilhas nem molhar o curativo, então a vibe de boa da cidade foi perfeita para fortalecer meu sistema imunológico com frutas e vegetais frescos cultivados nas montanhas ao redor da cidade e esperar meu corpo se curar.

 

image

 

O que eu fiz em Chiang Mai: andei de bicicleta em volta do muro da cidade velha, deitei na grama do parque, fiz um curso de culinária tailandesa, trombei com um festival de dança de uma escola primária, comi, dormi, joguei cartas, conheci gente.

 

Não me julguem pela preguiça, a culpa é de Chiang Mai!

 

Reserve sua hospedagem em Chiang Mai:

A Little Bird Guesthouse

Chiang Mai Backpack House

Chana Place (favor não rir do nome)

Tamarind Village

Nap in Chiang Mai

e muitas outras opções

8 thoughts on “Chiang Mai, Tailândia, é tão confortável que é difícil ir embora”

  1. Oi Liv, super parabens pelos seus relatos! São super divertidos e gostosos de ler.
    Vou ao sudeste asiático no fim do ano e estou apenas começando as pesquisas.
    Gostaria de saber de vc se não é possível chegar a Mianmar a partir de Chiang Mai já que está tão mais perto da fronteira? Ou o jeito é ir a partir de bangkok mesmo?
    Bjo

    1. Oi Glauce! Que bom que gostou do blog 🙂
      Então, ainda que seja perto, o Mianmar tem suas fronteiras terrestres fechadas para entrada de turistas (parte do controle bizarro do governo – as fronteiras são lugares de ainda muitos conflitos étnicos onde os militares que dominam o Mianmar violam diversos direitos humanos, empregando crianças nos exércitos, etc..). eles dão vistos de apenas 1 dia (isso mesmo!!!) pra quem quer sair e entrar da Tailândia para renovar o visto – e só. Para chegar até o Mianmar “profundo”, rs, você precisa voar mesmo pra lá. Por Bangcoc tem a Air Asia, que faz voos baratos pra Yangon e muitas vezes abre promoções!
      Espero ter ajudado..
      Beijo

Comments are closed.