Dicas para viajar para Buenos Aires de novo e de novo e de novo!

Buenos Aires é logo ali! Dependendo de onde você mora e da promoção de passagem aérea, viajar para Buenos Aires pode custar mais barato do que conhecer o próprio Brasil. Conheci a Júlia Flor Chamis em Buenos Aires, era a minha terceira vez na cidade e a primeira vez dela.

 

Desde então, Julia viajou pra vários outros países e voltou à Buenos Aires com uma lista de lugares novos para visitar. Ela escreveu este e-mail de viagem para compartilhar suas descobertas com os leitores do blog. Gostei muito do relato porque ela indica lugares que eu nunca tinha ouvido falar antes! Quem sabe te ajuda a montar o roteiro pra próxima viagem às terras porteñas?

(foto: hostel Portal del Sur, onde conheci a Julia!)

 

Foi a um lugar bacana e quer compartilhar seu email de viagem com os leitores do blog? Encaminhe para livia.aguiar@gmail.com

 

Com a palavra, Julia Flor Chamis:

Buenos Aires (de novo e de novo!)

 

Visitar o mesmo lugar várias vezes tem suas vantagens – saber onde está indo, que ônibus pegar, quais preços são razoáveis e quais não são entre outras coisas pequenininhas que acabam criando uma sensação boa, de casa, de familiaridade.

 

Ao mesmo tempo, existe um limite para quantas vezes conseguimos fazer os mesmos passeios turísticos (acho que já vi a Casa Rosada vezes o suficiente para uma vida inteira). E foi nesse misto de vontade de voltar ao de sempre e de descobrir coisas diferentes que cheguei a Buenos Aires dessa vez, na que talvez seja a quinta ou sexta visita nos últimos anos.

 

Dos familiares, tem sempre a visita obrigatória ao Malba e ao La Morada, restaurante pequeno, aberto em horários estapafúrdios, com as melhores empanadas que já comi – mas sobre estes a Lívia já falou nesse blog, então passo para os próximos.

 

Uma noite de estadia por aqui sempre me é reservada para um jantar no Tancat. É um restaurante espanhol – genial para os cansados de comida argentina como eu, que podiam morrer sem comer um churrasco e nem sentir falta – escondido numa travessa feia no centro, lá naquela parte da Florida onde os turistas já cansaram e voltaram para seus hotéis. Não é caro (pra padrões brasileiros), nem barato (para padrões argentinos), mas vale a pena. Sempre acabo pedindo o mesmo risoto de tinta de lula, mas são muitas as grandes porções de frutos do mar feitas sem frescura e sem grandes complicações. A crema catalana, de sobremesa, faz até gente que não gosta de açúcar dormir mais feliz.

 

Mas depois de feitos os retornos ao conhecido, é hora de encontrar coisas novas: tive duas boas surpresas dessa vez. O passeio à Villa Ocampo, antiga casa de Victoria Ocampo (escritora e feminista argentina) na cidade de San Isidro, talvez seja mais agradável pelo caminho do que pelo destino.

 

buenos-aires-eusouatoa-villa-ocampo

A singela casa de Victoria Ocampo, escritora e feminista argentina

 

A linha Mitre, mesma que chega a Tigre, tem fama de não ser aconselhável para turistas – bobagem.

 

Para chegar na Villa, desça na Estação Beccar – Linea Mitre (mais informações de como chegar pelo site). Se até ano passado os trens não mostravam diferença alguma pra qualquer linha da CPTM em São Paulo, depois da reforma se torna parte integrante do passeio. As vezes dá até uma vontadezinha de que o trem fosse mais devagar. A caminhada do trem à Villa passa por ruas simpáticas, com casas bonitas e pessoas passeando com seus cachorros.

 

buenos-aires-eusouatoa-villa-ocampo-jardim

Jardim da Villa Ocampo

 

No museu mesmo, senti falta de mais explicações sobre os habitantes da casa e os encontros que ali aconteceram. Parece que chegando no horário certo – as 15:30 – existe uma visita guiada. De todo jeito, a casa é linda e os patos e cisnes que andam em volta são divertidos o suficiente.

 

A outra surpresa foi um restaurante, mais uma vez não argentino (já vejo um padrão aqui!). Numa noite fria sem o que fazer, descobri na internet o Gran Dabbang, restaurante minúsculo de influências indianas no bairro de Palermo.

 

buenos-aires-gran-dabbang

 

É importante chegar antes das 21h ou depois das 23h, porque as pouco mais de dez mesas do lugar lotam rapidamente – eu, que fui sozinha, acabei sentada com uma portenha muito legal que hoje mora em Montevideo, para economizar espaço. Comi um curry de carneiro com iogurte muito bem servido (foto acima), e achei a conta bem razoável. Vai entrar na minha lista de lugares para voltar da próxima vez!

 

Já estou terminando minha semana em Buenos Aires para seguir pra terras argentinas desconhecidas. Mas não sem voltar no La Morada pra comer mais uma empanadazinha de despedida.

 


 

Todas as fotos deste post, exceto a primeira, são da Julia Flor Chamis, cedidas gentilmente ao blog <3

 

A primeira foto foi tirada por mim no hostel Portal del Sur. Eu falei que as empanadas do La Morada eram inesquecíveis, né? A Julia concorda 🙂

 

Foi a um lugar bacana e quer compartilhar seu email de viagem com os leitores do blog? Encaminhe para livia.aguiar@gmail.com

Mais dicas para viajar para Buenos Aires:

O imperdível (e o perdível) de Buenos Aires

Chegando em Buenos Aires, evite armadilhas

Tigre: reconecte-se com a natureza ao redor de Buenos Aires

Email de viagem: Mi Buenos Aires Querida

 

Reserve sua hospedagem em Buenos Aires:

Portal del Sur – o hostel que eu sempre me hospedo em Buenos Aires e onde conheci a Julia, que também estava se hospedando lá em 2012!

Outros hostels no centro de Buenos Aires

Ostinatto Hostel

Outros hostels em San Telmo

Outros bairros bacanas de se hospedar:

Palermo

Belgrano

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *