Ruínas de Angkor Wat, uma visita aos Good Old Khmer Days

 

image

Angkor foi a maior cidade pré-industrial do mundo. Em seu apogeu, ela abrigava 1 milhão de pessoas! De 802 d.C. a 1.431 d.C., ela foi a capital do império Khmer, a maioria étnica do Camboja atual.

 

As únicas construções que restam hoje são os magníficos templos, já que a pedra era reservada apenas para os deuses. Palácios e casas comuns eram feitas de madeira e barro – não sobreviveram ao tempo.
Hoje são mais de mil templos concentrados na área onde era Angkor, ainda que a maioria esteja reduzida a uma pilha de pedras. Há alguns templos, no entanto, que continuam de pé e impressionantes.

 

image

Bayon

 

Os turistas devem comprar um passe que vale por um dia (20 dólares), três dias não consecutivos (40 dólares) ou sete dias não consecutivos (60 dólares).

 

Comprei o passe de três dias + um pôr do sol. Como fui à bilheteria à tarde, aproveitei e já fui assistir ao pôr do sol da ponte sobre o canal ao redor de Angkor Thom.

 

image

 

Vejam essa bela arte no paint com o trajeto que eu fiz nos 3 dias:

 

image

Ok, confuso, mas explico.

 

Tarde da compra do ingresso

 

Se você comprar o ingresso de tarde, ganha um “pôr do sol”.

 

Aluguei uma bicicleta com um amigo suíço de nome português, Manuel, e fomos ver o templo de Bayon enquanto estava vazio – os turistas vão a outros lugares para o pôr do sol 🙂
Depois pegamos o pôr do sol na ponte norte de Angkor Thom, antigo muro do centro da cidade de Angkor, e voltamos pro hostel.

 

Primeiro dia

 

Um casal de amigos espanhóis, Javi e Claudia, já estavam em Siem Reap há algum tempo e lhes faltava ver os templos mais distantes. Os dois estão percorrendo o Camboja e o Laos de bicicleta (sim, de Bangcoc a Vientiane em duas rodas!), mas como os templos Banteay Srei e Phnom Kulen estão fora da rota deles, fomos os 4 em um tuktuk.

 

O Phnom Kulen, ou o “templo dos mil lingas” é na verdade uma cachoeira cujas pedras foram escavadas.

 

Imagens hinduístas de deuses e falos (lingas) adornam o local – mas, honestamente? Não tem nada de mais.

 

Já o Banteay Srei é outra história: o templo tem entalhes preciosos e delicados. Valeu a viagem até lá!

 

image

 

Na volta, almoçamos em frente ao East Mebon (não entramos pra ver) e fomos ao templo mais impressionante (minha opinião!) de todos: Ta Prohm

 

image

Ta Prohm está em ruínas, dominado por árvores enormes, que cresceram suas raízes centenas de anos depois que Angkor foi abandonada ao tempo.

 

A destruição não foi causada por nenhuma guerra: foi o tempo, esse danadinho, que lentamente derrubou paredes e semeou a bela vegetação que agora domina tudo.

 

Saímos de lá a tempo de tentar ver o pôr do sol em Angkor Wat – que não foi tão bonito quanto o da ponte no dia anterior e estava cheio de gente…

 

Uma consideração importante:

Angkor é imenso. Não se sinta mal se não deu pra ver tudo. Respeite o seu cansaço.

 

15 templos em um dia pode não parecer muito quando se vê o trajeto no mapa, mas É COISA DEMAIS!

 

O passe de três dias permite que você vá ao sítio arqueológico em um intervalo de sete dias, então, se puder, relaxe: tire uns dias para descansar entre uma ida às ruínas e outra.

 

É difícil aproveitar um templo quando ele é o sexto do dia, por mais incrível que ele seja.

 

image

“Ser turista cansa”

 

Segundo dia

 

O dia mais longo de todos. Nem vou me dar ao trabalho de contar tudo. O importante é dizer que o melhor jeito de visitar Angkor é de bicicleta.

 

Com a bike, você para onde quiser, fica o tempo que quiser nos lugares e é mais barato (1 dólar). Toda a região é muito plana e só está a 5 quilômetros de Siem Reap.

 

Eu, Manuel e Mihal, uma amiga israelita que conheci no hostel, acordamos cedo para o nascer do sol: 5h já estávamos de pé.

Primeira parada: Angkor Wat.

 

image

 

Fiz um vídeo explicando a situação:

 

Depois fizemos uma boa parte do que chamam de “grande circuito”.

 

Highlight: Preah Khan, o irmão do Ta Prohm (mesma época, mesmo material, o tempo também se encarregou de tomar conta dele).

 

image

 

E, além do lugar ser bonito, tive um bônus: ter os maus espíritos espantados por essa velhinha legal.

 

Ao meio dia, dormimos numas redes penduradas no restaurante onde almoçamos – não era preguiça, é que o sol estava muito forte… Rs.

 

De tarde eu já estava exausta e nem curti os poucos templos por onde passamos… mas ainda sim foi legal encontrar macacos!

 

image

 

Terceiro dia

 

Dois dias de descanso depois, voltamos, eu e Manuel, a Angkor. Só fomos aos lugares preferidos: Ta Prohm e Bayon:

 

image

 

Passei o dia pedalando entre os templos, uma das atividades mais gostosas da região.

 

É meio surreal perceber que, onde hoje estão milhares de árvores, haviam casas, ruas, comidas, cheiros, lixo, barulho, risadas, amizades, brigas, enfim… uma cidade. A maior cidade da época.

 

image

Portada de Angkor Thom

 

Fiz um vídeo mostrando um pouco de como é estar nos templos:

 

E repito: o melhor jeito de percorrer tudo é de bicicleta, mas entendo se você ficar com preguiça, rs.

 

Recomendo passear de bike por pelo menos um dia, pra ficar mais livre para ir para onde quiser e sem muita gente indo atrás de você tentando vender coisas.

 

image

 

Depois do Laos agrário, entrar em Siem Reap, no Camboja, e ver shoppings, restaurantes caros, sorvete italiano de qualidade, ruas bem pavimentadas e pedintes nas ruas, dá pra pensar que estamos de volta à “civilização”.

 

De certa forma, estamos, ainda que meu hostel seja algo muito sulasiano. Eu fiz um vídeo para mostrar a arquitetura e organização bizarra do lugar (chama Garden Village e acho que Siem Reap tem opções melhores de hospedagem!!)

 

O motivo para estar em Siem Reap não é a sorveteira Blue Pupkin (foto abaixo), ainda que ela tenha sido uma parte importante da viagem!

 

image

 

Manuel, eu, Clau e Javi. Como não amar um lugar que tem sorvete, ar condicionado, sofás e wifi?

 

Não fui a nenhum outro lugar no Camboja porque tenho um voo pro Mianmar em breve. Uma pena, mas é preciso prioridades – e a minha vocês sabem qual é: MIANMAR!

Reserve sua hospedagem em Siem Reap

Tanei Boutique Villa

Royal Crown Hotel and Spa

Blossoming Romduol Lodge

Popular Boutique Hotel

Central Boutique Angkor Hotel

e muitas outros!

 

3 thoughts on “Ruínas de Angkor Wat, uma visita aos Good Old Khmer Days”

  1. Livia, to adorando acompanhar a sua viagem! = )
    Não sei como você consegue escrever com tantos detalhes em meio a tudo isso (a maior parte das pessoas desiste do diário de viagem logo nas primeiras paradas!), mas fico feliz que você consiga registrar essas grandes experiências! Especialmente porque por aqui a gente encontra tão pouca informação sobre o Sul da Ásia, né…
    Já to pensando num roteiro por aí pras minhas férias!

Comments are closed.