Ponto Gê – o jantar mineiro perfeito para se deleitar depois de visitar Inhotim

O Ponto Gê é um ponto de prazer inigualável – estou falando do restaurante Ponto Gê, em Brumadinho, o lugar perfeito para experimentar a culinária mineira contemporânea logo depois de visitar Inhotim! A chef Genilda Delabrida, a Gê, é uma cozinheira de mão cheia com muita criatividade para aproveitar os ingredientes da região, misturando as receitas tradicionais (a linguiça artesanal é passada de geração em geração pelas mãos das mulheres da família) com criações contemporâneas maravilhosas, como a banana assada com molho de tomate, pimenta biquinho e morango, tudo preparado no fogão a lenha. O restaurante tem excelentes opções vegetarianas e veganas, além de carnes típicas da culinária mineira. Sério, é uma coisa de louco.

 


Abracei muito essa mulher simpática, afetuosa e MAGA DAS PANELAS

 

Gê trabalhou para diversos restaurantes de Brumadinho e região, inclusive no renomado restaurante Tamboril dentro de Inhotim, mas quando sua vida sofreu uma reviravolta trágica com o falecimento de sua filha ainda muito jovem, mudou de vida para se reerguer. A cozinha a salvou da depressão e salvou a todos nós, que hoje podemos provar das criações que abundam na cozinha do Ponto Gê.

 

O restaurante fica nos fundos da sua casa, onde era o quintal, entre a casa da Gê e a linha do trem. De vez em quando, ele passa, o trem, que não nos deixa esquecer que estamos em Brumadinho, uma cidade que cresceu em torno da mineração – e é inclusive graças a ela que existe o Inhotim, cujo dono enriqueceu graças à mineradora Itaminas.

 

 

Ainda que as carnes sejam todas deliciosas, para mim, o ponto alto do jantar no Ponto Gê foi experimentar uma imensa variedade de pratos vegetarianos e veganos. Gê não recorre a adaptações mambembes de receitas com carne. Inspirada em sabores da cozinha mineira, baiana e asiática, Gê aproveita o melhor dos vegetais e frutas e os prepara com muita, muita criatividade nas misturas de sabores e texturas.

 

Além da banana assada com molho de tomate, pimenta biquinho e morango (tô sonhando com ela até hoje), a sopa de pêra com umbú e castanha de caju, o chuchu confitado com alfazema, o vatapá de manga com leite de coco, o espaguete de mamão verde (muito melhor que qualquer espaguete de abobrinha que já provei), a farofa de ovos com cebola caramelizada e o repolho assado estavam DIVINOS!

 

 

Soube também que a Gê prepara um maravilhoso tropeiro vegano, com torresmo e linguicinha à parte para quem quiser adicionar carnes ao prato – na noite que fomos, tinha tanta, mas tanta comida, que nem lembro se tinha tropeiro, hahahaha.

 

Mas a linguiça artesanal cuja receita está na família da mãe da Gê há mais de 100 anos, nossa, dessa eu me lembro com saudades.

 

E do boi bêbado, carne de boi preparada com cachaça, nossinhora, quando é que eu vou voltar no Ponto Gê mesmo?

 

 

De sobremesa, doces mineiros, claro! Doces de frutas da estação (goiaba, mamão e sidra estavam sobre a mesa), doce de leite e, claro um queijim. Para acompanhar os pratos, nos serviram um delicioso suco de limão com manjericão e capim cidreira – que pode virar drink se cachaça for adicionada ;).

 

Todo esse banquete custa R$40,00 por pessoa. O cardápio varia de acordo com o que está disponível na feira e com a criatividade da chef <3

 

Reserve sua mesa, garanta seu jantar e, principalmente, VÁ COM FOME 

 

Esta última viagem que fiz a Brumadinho foi organizada pela De Rolê Por Brumadinho, agência de receptivo turístico que pode ser contratada para fazer alguns passeios durante a estadia na cidade. Com elas, além de visitar o museu Inhotim, nós conhecemos o famoso e delicioso restaurante Ponto Gê, fizemos workshop de pão de queijo, visitamos a Cachoeira Carrapatos, em Piedade do Paraopeba e passamos um dia inesquecível nos quilombos Marinhos e Sapé.

 

Confira os posts desses passeios e já programe sua viagem pra Brumadinho!

Onde ficar em Brumadinho

Existem diversas opções de hospedagem em Brumadinho, estes foram os hostels que acolheram nosso grupo durante a viagem:
Hostel 70 – primeiro hostel de Brumadinho, fica bem perto da rodoviária (2 quarteirões, dá pra ir à pé!)

Hostel Moreira – hostel numa casa um pouco afastada da rodoviária. O café da manhã é super farto e tipicamente mineiro: muitos bolos, pães de queijo, queijo, geleias…

Sobre a viagem

As empresas e guias parceiras da viagem foram:
De Rolê Por Brumadinho (no instagram @derole_por_brumadinho)
BrumaVip Turismo – transporte de BH até Brumadinho com uma van super bacana
Guia de InhotimJunio César nasceu no bairro onde hoje funciona o museu, trabalha há 10 anos com a Instituição (desde quando era só uma fazenda do Bernardo Paz). Junio é especializado em botânica e arte contemporânea e guia formado pelo SENAC @juniocesarguia
Jantar inesquecível no Ponto Gê <3 @ponto_ge_inhotim
Vivência nos quilombos Marinhos e Sapé @reibatuque
Workshop de pão de queijo na Casa da Horta @casadahorta53
Pub Crawl @pubcrawlbrumadinho: bares @bar.hashtag @kombozabar e @domquixotesnookerpub 
E, claro, a Prefeitura de Brumadinho, que fortaleceu com os transportes dentro da cidade @prefeituradebrumadinho 

Convidados da viagem: este blog <3, Mulheres Viajantes, Na estrada com as Minas, Mariana Viaja, Kari Desbrava, Sou+Carioca, Rodas nos Pés, Foco no Mundo, Canal Errei, Ideias na Mala, Diário de Turista, Hypeness e Azul Magazine. Coincidência ou não, só tinha um homem na viagem toda, hahahaha Vamos todas cair no mundo, mulherada! #minasqueviajam <3

Mais posts sobre a viagem a Inhotim e Brumadinho:

Mariana Viaja – Visita inesquecível e transformadora a uma comunidade quilombola em Brumadinho

Canal Errei – O melhor de Inhotim e Pub Crawl em Brumadinho – MG

Canal Errei – Inhotim – descobri o Ponto Gê em Brumadinho – MG

Foco no Mundo – Inhotim: dicas e tudo o que você precisa saber antes de ir

Mulheres Viajantes – Brumadinho, além do Inhotim

Rodas nos Pés – Apresentando BRUMADINHO ALÉM DE INHOTIM: muitas descobertas!

Ideias na Mala – Principais obras de arte de Inhotim – O Inhotim como você nunca viu antes

Hypeness – Além do Inhotim: o que fazer em Brumadinho, cidade-sede do maior museu a céu aberto do Brasil

Kari Desbrava – Brumadinho além de Inhotim: uma viagem pelo interior de Minas Gerais

Kari Desbrava – Inhotim: dicas do que conhecer
Foco no Mundo – O que fazer em Brumadinho além de Inhotim

Almoço no Fitó – filial da gastronomia do Piauí em SP

O Fitó abriu as portas em junho e fui lá conferir o cardápio na companhia de seis amigas queridas. O restaurante apresenta pratos típicos da cozinha piauiense, criados por Cafira Foz, cearense de Fortaleza que foi criada em Teresina.

 

Fito restaurante sao paulo eusouatoa fachada

O Fitó está instalado numa casa fofa, bem arejada, iluminada e decorada no baixo Pinheiros, perto do metrô Faria Lima em São Paulo.

 

Fito restaurante sao paulo eusouatoa ambiente

 

Como estávamos em 7 na mesa, pudemos provar quase tudo no cardápio. É uma das inúmeras vantagens de sair pra comer com muita gente que não liga de dividir comida, hehe

 

Fito restaurante sao paulo eusouatoa mate gelado

 

Pra começar, esperamos nossa mesa tomando mate gelado, sentadas de frente pro balcão, onde duas bartenders fazem todo tipo de mistura (fiquei sabendo que as caipirinhas são ótimas, mas era horário de almoço durante a semana e não provei).

 

Fito restaurante sao paulo eusouatoa dadinhos de tapioca

 

Quando sentamos à mesa, chegou uma porção de dadinhos de tapioca com delicioso molho agridoce de pimenta, picante no jeito, que é cortesia da casa durante o primeiro mês de funcionamento.

 

Fito restaurante sao paulo eusouatoa salada

A saladinha de folhas com maxixe e carambola com molho agridoce bem leve já começou me enfeitiçando!

 

Fito restaurante sao paulo eusouatoa frango assado

 

Entre os pratos principais, pedi o frango assado com batata doce e calda de caju (delícia!).

 

Fito restaurante sao paulo eusouatoa pacoca de carne

 

Experimentei também a paçoca de carne de sol (noh, boa demais!).

 

Fito restaurante sao paulo eusouatoa baiao de dois veggie

 

A única opção vegetariana do cardápio oficial é o baião de dois, que vem com ovinho com gema mole por cima. Estava muito gostoso e o prato vem farto. Se você quiser outro prato sem carne, tem como conversar com a sua atendente e negociar, é possível!

 

Fito restaurante sao paulo eusouatoa bebidas

 

Entre as bebidas sem álcool, além do mate experimentamos um suco de cupuaçú com água com gás (ficamos viciadas naquele frescor cremoso) e o drink de gengibre fermentado, em primeiro plano na foto acima (pra quem curte gengibre como eu, imperdível!).

 

Fito restaurante sao paulo eusouatoa flan de coco

 

As sobremesas são a parte mais fraca do cardápio… dividimos vários dos pratos (tentativa de dieta, né mores) e achamos que dá pra explorar mais os doces do Piauí. Tendo falado isso, o flan de coco é definitivamente a melhor opção – tão cremoso e saboroso que sumiu em segundos e pedimos mais uma porção, hehe. Juro: se você gosta de coco não saia do Fitó sem provar esse flan!

 

Fito restaurante sao paulo eusouatoa detalhe

 

Gostei demais do restaurante, a decoração é linda, o salão bem iluminado e as louças típicas do Piauí são um charme, quis todas pra minha casa.

 

A maioria das pessoas trabalhando são mulheres, tanto na cozinha quanto no salão, amei isso também!
Já quero voltar amanhã pra provar o carneiro com leite de coco, que é prato do sábado!

 

Fito restaurante sao paulo eusouatoa café

Como não se apaixonar por essas louças típicas do Piauí?

 

E sabe o que ainda soma mais pontos? Comemos, comemos e comemos, bebemos bastante, dividimos sobremesa, tomamos café e a conta deu 50 reais pra cada – que paguei com meu VR, viva!

 

Hospede-se em São Paulo

A cidade é MUITO grande, então a região de hospedagem deve levar em conta quais serão os bairros que você irá percorrer 😉

Opções em Pinheiros/Vila Madalena

Opções na região da Paulista

Opções no Centro/Santa Cecília

 



Booking.com

 

Um café com vista para o centro de Belo Horizonte

Por se localizar no vale da Serra do Curral, o centro de Belo Horizonte tem poucos mirantes de onde se pode ver a cidade de cima. O jeito é recorrer a um prédio que tenha vista. No começo do ano, descobri o restaurante do Belo Horizonte Othon Palace, de frente pro Parque Municipal, e ele já se tornou um dos meus pontos de observação favoritos na cidade.
Pouca gente sabe, mas o restaurante Varandão, do Belo Horizonte Othon Palace, está aberto também para quem não é hóspede do hotel 4 estrelas mais tradicional da cidade. Pouca gente sabe, mas esse restaurante fica no alto, no 25º andar, bem no centro de Belo Horizonte, e tem janelas amplas em toda sua extensão. É lá do alto que podemos ver o traçado geométrico das ruas, o Parque Municipal até onde a vista alcança, o curvilíneo Viaduto Santa Tereza, o fuzuê do baixo centro e a Serra do Curral emoldurando a cidade, serra que resiste apesar da extração minerária nos municípios vizinhos.

 

Lá de cima, o centro não é barulhento e o caos parece ficar organizado. É um ótimo ponto de descanso dos olhos e das pernas ao final de um dia de turismo pela cidade.

 

vista-othon-restaurante-Belo-Horizonte
Para ir ao Varandão, basta entrar no hotel, na Avenida Afonso Pena 1050, esquina com Rua da Bahia e Tupis. Atravesse o hall e pegue o elevador até o último andar. Não precisa nem se registrar na recepção (o que talvez seja uma brecha na segurança, mas há câmeras e guarda-costas por todos os lados). Honestamente, não acho a comida do restaurante do Othon tão boa para justificar os preços praticados, mas o cafezinho é justo. Nespresso bem tirado, vem com um biscoitinho gostoso, água com gás e um pau de canela para mexer o açúcar. As melhores mesas são, é claro, ao lado da janela.
Desde que a minha amiga Danielle Pinto me contou da existência e acessibilidade do Varandão, levo os visitantes de fora para um cafezim nas alturas durante o fim da tarde. Quem mora em BH também ficou surpreso, como eu na primeira vez que fui, ao descobrir esse ponto de encontro tão acessível e privado ao mesmo tempo. Não dá pra ver o pôr do sol lá de cima, ele se esconde do outro lado do centro, mas naquela hora mágica todas as cores ficam alguns tons mais quentes, especialmente no inverno. Aí a tarde acaba, o parque se torna uma massa escura lá embaixo e a noite pode começar em outro lugar, com uma cerveja ou um drink nos bares do Edifício Maletta por exemplo. Ou um jantar em algum dos restaurantes novos da Rua Sapucaí, que também é logo ali.

 

O Varandão abre de 11h às 23h. Infelizmente, pois pela manhã o nascer do sol deve ser espetacular. Para ver o astro-rei brilhar atrás do Parque, vai ser preciso mesmo se hospedar no Othon – e madrugar.

 

Hospede-se no centro de Belo Horizonte

Belo Horizonte Othon Palace Hotel (para acordar cedo e ver o sol nascer atrás da Serra do Curral)

Belo Horizonte Plaza

Hotel Nacional Inn

Hotel Financial

Hotel Metrópole

Sul América Palace Hotel

Ibis Styles Belo Horizonte Minascentro

Ibis Belo Horizonte Liberdade

Royal Center Hotel

Samba Rooms Hostel

***

Este texto foi publicado primeiro no blog da MaxMilhas (link direto pro post aqui), uma parceria do EUSOUATOA para incentivar mais gente a cair na estrada sem gastar muito dinheiro!

Almoço-espetáculo no restaurante Casa Oaxaca

 

O estado de Oaxaca é conhecido no México e em todo o mundo pela sua gastronomia tradicional riquíssima, que traz bastante das técnicas e sabores indígenas. Existem muitos restaurantes maravilhosos na cidade de Oaxaca onde é possível provar seus tradicionais moles (misturas de temperos que podem ser usados de diversas formas, tipo um curry, só que muito mexicano) tamales (pamonhas salgadas recheadas) e queijos (incríveis!). Das banquinhas do mercado 20 de Noviembre à alta gastronomia contemporânea que faz releituras dos pratos centenários da região, a comida é em geral deliciosa.

 

O restaurante Casa Oaxaca é um daqueles lugares caros que valem a pena serem visitados pelo menos uma vez. E nem é tão caro assim para alta gastronomia, minha conta com entrada da casa, caldo de pedra, jarra de água do dia dividida entre 4 pessoas e uma margarita de chamoy ficou em 250 pesos (+-50 reais).

 

Quando você for, suba direto para o terraço: as mesas mais agradáveis ficam lá em cima, com vista para o ex-convento de Santo Domingo e copas de árvores. Além de comida deliciosa, outra parte importante do restaurante é a performance: os garçons preparam alguns dos pratos na hora na frente dos clientes. O restaurante tem o cardápio montado pelo chef Alejandro Ruiz, que mistura ingredientes mediterrâneos (como o manjericão e carnes de caça) à cozinha oaxaqueña e cria maravilhas.

 

garcon-fazendo-entrada-casa-de-oaxaca

 

Após pedirmos as bebidas e o prato principal, começou o espetáculo: um dos garçons se aproximou com uma mesinha desmontável e os ingredientes para nos preparar a entradinha da casa.

 

Escolhemos a quantidade de chiles, tomates, cebola e alho que gostaríamos em nosso molho. Ele então preparou tudo ali mesmo em um pequeno molcajete (pilão de pedra) e depois nos trouxe algumas tostadas de milho azul e amarelo com queijo para acompanhar.

 

entrada-casa-de-oaxaca

Molho da casa com tostada de milho azul e queijo <3

 

Já haviam me contado sobre o restaurante, então pedi o caldo de piedra, que também é preparado na mesa dos comensais. Depois que devoramos todas as tostadas, o garçon veio com sua mesinha desmontável mais uma vez. Ele trouxe os ingredientes para o caldo de pedra: peixe, camarão, cebola, alho, tomate, uma jarra de brodo (caldo) já preparado e duas pedras de rio quentíssimas.

 

Aí ele jogou o caldo dentro da tigela onde estavam os frutos do mar e começou a cozinhar tudo colocando as pedras quentes uma. Veja o vídeo e cuidado para não babar no computador!

 

O cheiro do caldo ficando pronto perturbou as pessoas nas mesas próximas, tenho certeza! Ficou todo mundo instantâneamente com fome, ainda bem que os pratos dos meus amigos (duas saladas frescas e um cordeiro com mole) chegou antes da sopa!

 

Depois que o peixe está cozido, o caldo está pronto. O garçon retira as pedras (achou que era pra comer?) e tomei a sopa com molho de pimenta (estamos no México, uai).

 

caldo-de-pedra-casa-de-oaxaca

 

Como aperitivo final, pedi uma margarita de chamoy, feita com tequila, contreau, limão e chamoy, um molho feito com limão, pimentas, polpa de alguma fruta doce (pêssego, manga ou outra) e outros temperinhos.

 

Margarita apimentada, doce e alcoólica: isso sim é México!

 

Restaurante Casa Oaxaca:

Calle Constitución, 104A – centro de Oaxaca, em frente ao Ex-convento/Museu/Igreja de Santo Domingo e o Jardim Etnobotânico.

Telefone: +52 (951) 516 8531

Aberto de segunda a sábado de 13h às 23h e domingo de 13h às 21h.

 

Hospede-se em Oaxaca:

Hostel Azul Cielo

Posada del Xochitl

Hostel Cielo Rojo

Hotel Nacional

Parador San Fernando

Leiteria Ita Lanches serve PF gostoso, barato e tradicional em São Paulo

fachada Ita Lanches

Este feriado, Marina e Sofia, duas das minhas irmãs (tenho 3! <3 ) vieram a São Paulo me visitar. Uma ótima oportunidade de explorar um lugar novo e contar para vocês aqui no blog! O namorado da Marina, Bernardo, sugeriu uma lanchonete que não conhecia, localizada no centrão: Leiteria ita Lanches.

O lugar fica bem perto do Largo do Paissandú, da Galeria do Rock, do Vale do Anhangabaú e da Praça da República, ou seja: uma parada para almoço perfeita para quem estiver passeando pelo centro de São Paulo!

Leiteria Ita Lanches: um lugar barato, gostoso, divertido e histórico.

A Ita abriu em 1953 e conserva sua estrutura antiga (e azulejos muito simpáticos) até hoje. Ela está organizada para servir PF (prato feito) de um jeito bem fast food: comendo no balcão. Hoje o restaurante serve mais de 500 refeições para o almoço (e um pouco menos para o jantar) e abre de 11h30 às 20h.

atendimento Ita Lanches

A Rua do Boticário é na verdade uma viela, bem estreita, que nasce no Largo do Paissandú e corta a Avenida Ipiranga. Quando viramos nela para chegar ao restaurante, pensei “esse endereço deve estar errado” – mas não estava! Encontre um banquinho vago, sente-se e prepare olhos, ouvidos, narinas e boca para a experiência que está por vir.

Não importa se você chega lá sozinho ou em grupo: todos se sentam nos bancos altos, recebem um pão para comer com molho de alho (delícia!), azeite português, vinagre e sal, e fazem seu pedido a um dos simpáticos senhores que correm de um lado para o outro com pratos e mais pratos cheios de comida fumegante.

balcão de atendimento Ita Lanches

As opções eram tantas que já montei diversos pedidos para as próximas vezes que eu voltar! Quero experimentar a canja, o bacalhau ao forno, o bife à cavalo e, é claro, a feijoada da quarta-feira.

Os pratos do dia seguem o cardápio tradicional de São Paulo: segunda tem virado à paulista, terça tem dobradinha, quarta é dia de feijoada completa, quinta tem rabada e sexta é servido o tradicional bacalhau ao forno da casa. Para os fortes, meus caros.

lombinho Ita Lanches

O cardápio está exposto em murais nas paredes, a cozinha fica lá no fundo e um longo balcão serpenteia todo o salão. Arquitetura certeira para agilizar o serviço e também facilitar a conversa entre os comensais e os atendentes do restaurante.

Deixe a cara amarrada do lado de fora da rua, ok?

Pedimos duas jarras de suco natural (7 reais cada!) e comemos nossos pãezinhos enquanto escolhíamos o que íamos pedir. Fui de lombinho de porco grelhado com arroz, feijão, farofa e batata frita. Achei que faltou uma pimentinha para completar o tempero, mas foi só pedir ao Seu Didi (um dos atendentes) que veio um pote de pimenta radioativamente picante para eu me esbaldar.

pratos Ita Lanches

Comi até começar a respirar fundo para ver se cabia o resto do meu prato no meu estômago – e quando olhei para o lado, vi que minhas irmãs, cunhado e outros companheiros de balcão estavam fazendo o mesmo. É um PF de fartura, minha gente!

A milanesa com fritas, pedido da Sofia (terceira da fila na foto acima) pode ser dividida facilmente entre duas pessoas, porque vem um bife enorme!

Deixei um pouco de arroz no prato com arrependimento. Queria conseguir comer até o final! Mas é que ainda queria abrir um espaço na barriga para um creme de abacate de sobremesa – ele tinha gosto de infância, do creme que meu pai preparava em casa pela manhã quando era época de abacate.

O pudim da Ita também é muito famoso, mas, às 14h, ele já tinha acabado. Vou ter que voltar lá, hehehe.

creme de abacate Ita Lanches

Quando eu achava que as boas surpresas estavam no fim, pedi a conta e Seu Didi sacou um lápis do bolso.

Nada de papel, gente: eles escrevem os valores dos pedidos direto no mármore do balcão, fazem a conta de cabeça e já trazem a maquininha de cartão para você pagar (aceitam inclusive VR). Depois é só passar um paninho que o balcão está pronto para o próximo ser humano faminto que chegar.

A conta toda dividida entre os quatro deu R$14,25 para cada, incluindo suco e sobremesa para todos. Sim, além de tudo, é um lugar baratinho, para ir no fim do mês 🙂

conta Ita Lanches

Leiteria Ita Lanches   

Rua do Boticário, 31, centro de São Paulo. Tel: 11 3223-3845

Abre de segunda a sábado, de 11h30 às 20h

Mais barato: sopa do dia – 5 reais

Mais caro: contra filé à moda da casa – 28 reais