Meditar vai me levar de volta à Tailândia (e não é viagem astral)

Foto: Jornal Pampulha (o nome do fotógrafo não está na matéria, quando eu descobrir atualizo aqui)

 

Queridos leitores, em breve vocês verão muito mais posts sobre o Sudeste Asiático de volta ao blog! É que eu estou indo para a Tailândia no final do mês de setembro, com o objetivo principal de praticar e aprender mais sobre meditação.

Mais especificamente, participar de um retiro de meditação pela paz em uma ilha próxima a Koh Phi Phi e Krabi, na costa leste da Tailândia, promovido pela organização Peace Revolution.

 

Calma, explico tudo.

Há dois meses, quando decidi vir para Santo Antônio do Amparo, uma das medidas que tomei para me dar uma rotina, me ajudar a focar no trabalho e no que era importante pra mim foi começar a praticar a meditação diariamente.

 

Quando viajei para o Sudeste Asiático em 2012, conheci muitos monges budistas e entrei em contato direto com a prática da meditação, mas não meditei nenhuma vez.

 

Certa manhã, pedalando para Amarapura, na Birmânia, minha bicicleta ficou atolada numa poça de lama e um monge me ajudou a sair de lá, me levou até o mosteiro onde vivia e me ajudou a me limpar (e a limpart a bicicleta). Foi um verdadeiro anjo da guarda pra mim! E, no final desse encontro, ele disse:

 

“Posso te dar um conselho para a vida? Você devia tentar a meditação”.

 

Me senti muito impressionada com tudo que aconteceu naquela manhã e as palavras dele nunca saíram da minha cabeça.

 

monges-amarapura

Monges crianças se lavando pela manhã, Amarapura, Birmânia. Não tirei foto do monge que me ajudou a sair do atoleiro 🙁

 

Mas 2012 ainda não era a hora do meu encontro definitivo com a prática. 

 

Eu já havia meditado algumas vezes, mas nada muito sério e eu não me sentia segura para simplesmente me sentar e meditar – e é aí que entra a organização Peace Revolution neste ano.

 

Revolução pela paz

 

A Peace Revolution é uma organização sem fins lucrativos baseada na Tailândia, com membros do mundo inteiro, que reúne e apoia pessoas para meditar pela paz mundial.

 

Sim, é um objetivo muito ambicioso, mas é preciso começar por algum lugar, né?! A ideia é que, se você adquire a paz interna, ela se irradia para as pessoas ao seu redor, tendo o poder de transformar famílias e comunidades. É o que chamam de Peace In, Peace Out (PIPO).

 

O Peace Revolution têm um programa (gratuito) de meditação para iniciantes (não precisa saber nada sobre meditação para começar) que é muito bacana. Você vai meditando e tem um diário para preencher, contando como está sendo sua experiência. Um Técnico de Paz (Peace Coach) voluntário é designado pela organização para ler seu diário e te ajudar a melhorar sua prática cada dia mais. Assim, é um curso de meditação online, mas você não se sente sozinho nessa jornada!

 

Conheci a Peace Revolution através da minha amiga Tamira Marinho, que fez esse programa inicial e depois se inscreveu para participar de um dos diversos retiros oferecidos pela organização – e foi para a Tailândia com 50% da passagem de avião paga pelo programa, assim como o transporte, hospedagem, alimentação e tudo na ilha durante o retiro (e ainda a hospedagem do primeiro e último dia em Bangkok).

 

Ou seja: eles não estão atrás do seu dinheiro. Eles querem que o máximo de pessoas engajadas possam ir até lá e participar desse retiro, para que elas voltem para seus países e continuem cada vez mais comprometidos com a rede de paz e meditação.

 

Além desse retiro que vou participar na Tailândia, a Peace Revolution tem vários outros retiros – inclusive um no nosso vizinho Peru, programas na África, Oriente Médio e um na Tailândia voltado só para artistas! Veja a lista completa de programas.

 

Minha experiência com a meditação

 

Pois bem, eu resolvi começar a meditação porque queria adquirir a minha paz interna durante minha estadia no interior de Minas e pensei “porque não me inscrever pro retiro na Tailândia também?”

 

Confesso que metade de mim quis isso pela experiência do retiro de meditação com pessoas de muitos países diferentes e a outra metade estava gritando “COMIDA TAILANDESAAAAAAAA” (uma metade bem relacionada com meu estômago e papilas gustativas, vale dizer).

 

Meditei toda manhã nos úlimos meses e, olha, fez muita diferença na minha vida.

 

Sinto que estou mais paciente, mais tranquila com as minhas escolhas, refletindo mais sobre meu caminho futuro e sendo mais honesta e carinhosa comigo mesma e com os outros.

 

Ainda é uma longa caminhada até que eu pare de me irritar com opiniões que acho injustas e egoístas, caminho mais longo ainda até eu parar de brigar com minhas irmãs, hahaha. Mas vamos indo, um dia de cada vez.

 

Recomendo a todos que tentem meditar, seja com o Peace Revolution, em um centro de estudos budistas (ou não-budistas), com ajuda de aplicativos ou de vídeos no youtube.

 

Apenas comecem.

 

Não precisa saber nada para sentar e tentar, não existe certo nem errado, qualquer esforço que você fizer já vai fazer diferença na sua vida.

 

Com o tempo, a gente vai conseguindo esvaziar os pensamentos e efetivamente dar um “reset” no cérebro – e vocês vão ver como isso é bom!

 

monges-lendo

Monges crianças estudando pela manhã em mosteiro em Amarapura, Birmânia. Fofos!

 

Ao final do programa, eu já estava bem satisfeita com toda a experiência meditativa (e continuei praticando quase que diariamente, mesmo sem “ter” que preencher o diário no site da Peace Revolution). Mas aí eu passei pra segunda fase do programa na Tailândia, fiz uma entrevista por skype e fui aprovada para participar do retiro! Aí eu vou, né? Claro que vou.

 

Dei entrevista para o Jornal Pampulha sobre a prática meditativa (e a foto do começo do post foi publicada na matéria). Leia aqui.

 

Então é isso, amigos leitores, estou indo pra Tailândia pra meditar, comer – e quem sabe amar?

Isso não se prevê, hehe.

 

Além do retiro em si (estarei completamente offline durante as duas semanas), também estou planejando outros passeios por lá. Vou ficar dois meses no total por aquelas bandas do Planeta Terra e espero produzir muito conteúdo bacana pra vocês. Já estou fazendo alongamentos para me preparar para as 30 horas de voo de SP até Bangkok, com escala nos EUA (NY por 5 horas! Esperando que dê pra sair do aeroporto) e Japão (só 2h no aeroporto… vou tentar comprar alguma coisa louca no freeshop).

 

E espero voltar com mais paz, transbordando paz para a família, os amigos, vizinhos, companheiros de dormitório nos hostels da vida e também para vocês através das nossas telas brilhantes. Paz pode ser transmitida virtualmente, sim!

 

Abaixo, segue o vídeo do primeiro capítulo do programa de meditação para iniciantes do Peace Revolution.

 

 

O vídeo está em inglês, mas eles têm uma versão em espanhol também (infelizmente ainda não tem em português), convido a explorar os outros vídeos do canal deles.

 

Aqui está um vídeo de meditação pela paz em português. Acho ele curtinho, mas é bom pra começar!

 

4 pensamentos sobre “Meditar vai me levar de volta à Tailândia (e não é viagem astral)”

  1. Pingback: #BrasilProfundo - vídeo sobre Santo Antônio do Amparo

  2. Pingback: 15 dicas para sobreviver a voos longos e troca de fuso horário

  3. Pingback: Receita de bolo de chocolate, castanhas e café, hmmm!

  4. Pingback: É seguro viajar para a Tailândia? Quanto vai custar? Veja aqui

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *